Quem sou eu?

A minha fotografia

Anteriormente conhecida como v_crazy_girl, a 30 de Agosto de 2014 essa conta foi apagada, tendo assim decidido criar algo mais pessoal e próprio para o blogue literário de longa data.

Na Mesa de Cabeceira...

Na Mesa de Cabeceira...
"A Derradeira Ilusão" de Diane Chamberlain

Passatempo

Passatempo
Resultado!!

Seguidores

Com tecnologia do Blogger.

Facebook

Arquivo do Blogue

domingo, 7 de julho de 2013
Autora: Catherine Fisher
Edição/reimpressão: 2012
Páginas: 336
Editor: Porto Editora
ISBN: 978-972-0-04372-6

Sinopse:
Imagine uma prisão tão vasta que abrange masmorras, galerias, bosques de metal, mares e cidades em ruínas.
Imagine um prisioneiro sem memórias mas que nega pertencer àquele lugar, mesmo sabendo que a prisão se encontra selada há séculos e que apenas um homem conseguiu escapar.
Imagine uma rapariga condenada a um casamento de conveniência e a viver numa sociedade futurista, vigiada por um sistema sofisticado de inteligência artificial mas concebida à semelhança de um cenário do século XVII.
INCARCERON é a prisão viva que observa tudo o que se passa dentro dos seus muros. Finn é o prisioneiro e Claudia a filha do guardião da prisão, que vive num mundo exterior onde pouco se conhece sobre INCARCERON.
Ao encontrarem uma chave de cristal que lhes permitirá comunicar, os dois engendram um plano de fuga numa corrida contra o tempo. Mas INCARCERON vigia-os e a evasão exigirá mais coragem e tornar-se-á mais difícil do que pensam.


Opinião:
Estava com tanto medo desta leitura. Nem imaginam! Acontece que as opiniões deste livro são demasiado divididas, e as últimas que tenho lido são mais negativas do que positivas, algo que para além de aguçar a faceta curiosa de um leitor, aguça também o medo por poder odiar o livro, quando podia estar a ler algo melhor. Mas como boa leitora curiosa decidi lê-lo e apesar de muitas opiniões, gostei imenso do que li.

Finn não tem noção de quem é. Toda a sua vida antes dos seus 15 anos desapareceu da sua memória, sendo a primeira coisa que se lembra de acordar num pequeno espaço, sendo observado por uns pontos de luz no tecto, a própria prisão a observá-lo. Esta prisão é diferente de tudo o que conhecemos, é uma prisão viva! Uma prisão que fora desenvolvida para prender os piores criminosos que existiam à fase da terra de maneira a ser como que um "mundo à parte", para estes não incomodarem os "justos" da sociedade. Mas a prisão é um verdadeiro inferno, onde fome, inveja e morte vivem lado a lado e faz-se de tudo para sobreviver.

Enquanto isso, fora da prisão conhecemos Claudia, filha do guardião da prisão, que apenas quer fugir do seu casamento. Um casamento planeado para ligar duas famílias à mesma causa. Curiosa por saber mais sobre a prisão (que no mundo exterior é conhecida por ser um lugar fantástico, um verdadeiro paraíso), Claudia acaba por investigar, com a ajuda do seu tutor o seu pai. O tempo no mundo fora da prisão tinha como que parado. A ciência era uma arte há muito perdida, desaparecida e proibida. Os poderosos do mundo, felizes pela sua vida, queriam manter esta para sempre assim. Parecendo que o mundo parara, encontramo-nos perante uma sociedade muito evolutiva em relação a umas coisas mas totalmente retrógrada em relação a outras (temos os casamentos combinados como exemplo, além de se usarem roupas do século XVII).

Posso então dizer que está comprovado, sou do contra. Mesmo com medo de não gostar do livro a verdade é que gostei. É um livro que requer "imaginação", pois o ponto fraco da autora é, para mim, a descrição. Não utiliza muita descrição nos seus livros, o que leva a que o leitor tenha que ter uma imaginação fértil a fim de imaginar os ambientes desta fantástica prisão. Acho que a autora precisa de alguma forma melhorar esse ponto, pois embora eu sempre tenha sido virada para livros deste género e não me faz confusão a falta de descrição, sei que há imensos leitores que é precisamente o contrário, precisam de mais desenvolvimento e descrição para saberem o que imaginar, por assim dizer. Mas da minha parte adorei e acho que a autora tem uma imaginação enorme!

Outro problema que me surgiu, foi todo o mistério que havia no mundo fora da prisão, do príncipe desaparecido. Desde o início se percebe logo tudo em relação ao suposto grande mistério do livro, que é tudo menos misterioso, mas para mim compensou a história em si, da prisão. Eu da minha parte gostei imenso e quero mesmo ler o próximo!

1 devaneios :

andre disse...

Tenho uma prenda para ti :)

http://saboreiaoslivros.blogspot.pt/2013/07/selos.html